quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

|123| "eu-não-sou-eu" - Sérgio Aires


Lately I’ve been struck with how I really love what you can’t see in a photograph. 
An actual  physical darkness. And it’s very thrilling for me to see darkness again.
Diane Arbus

Sérgio Aires. 1969. Porto
Não há um antes e um depois. Só há aquilo. E o outro.

Um fotógrafo amador. "Amador" no sentido de amar a dor da observação.

Desde muito cedo que a fotografia aparece como a única verdade possível. Uma licença para ir onde quiser e fazer aquilo que quiser. E uma arma de defesa e ataque contra a timidez.

Partilha totalmente a convicção de Diane Arbus de que nunca conseguimos fotografar aquilo que queríamos; ou fica muito melhor ou muito pior. No fundo, somos todos (ama)dores.


6 comentários:

Sérgio Aires disse...

Quem? Eu? O outro?

cristina disse...

com a autorização do dono desta casa, que nela se manifesta (também) generoso :-), digo-te, Sérgio Outro, do contentamento em que estejas a seguir e a somar... e que assim seja(s) ;-)
beijo

Caçador disse...

Mas afinal quem é o gajo?...

m disse...

Eu não sou eu nem sou o outro,
Sou qualquer coisa de intermédio:
Pilar da ponte de tédio
Que vai de mim para o outro.

Mário de Sá-Carneiro

Sérgio Aires disse...

ó caçador, tás a pedi-las...

Cinda Miranda disse...

fantástico o trabalho do Sérgio... tinhas razão Sérgio... ;)